Secretaria Municipal de Saúde

IRACEMÁPOLIS - SP

  
  
Secretaria Municipal de Saúde ' Vereador Alberto Liberato Lucas '
Sede da saúde municipal
Pronto Socorro Municipal (Urgência e Emergência)
Unidade Mista "Santa Cruz"
USF ' Dr. Ângelo Arlindo Lobo '
Unidade Básica de Saúde/Unidade de Saúde da Família
USF ' Maria Neves Alexandrino '
Unidade Básica de Saúde/Unidade de Saúde da Família
USF ' Angelina Platinetti Massari '
Unidade Básica de Saúde/Unidade de Saúde da Família
CESMI - Centro de Especialidades Médicas de Iracemápolis
Especialidades médicas
Unidade Municipal de Fisioterapia ' Geraldo Granço '
Unidade de tratamento Fisioterapêutico
Canil Municipal ' Francisco de Assis '
Canil municipal (Zoonose)
×

Aviso

Erro ao carregar componente: com_zhgooglemap, Componente não encontrado

Vigilância Sanitária

Pin It

Aedes aegypti

Aedes aegypti é um mosquito doméstico, vive dentro ou ao redor das casas ou de outras construções frequentadas por pessoas, como estabelecimentos comerciais e escolas e está sempre perto do homem.

Tem hábitos preferencialmente diurnos e alimenta-se de sangue humano, sobretudo ao amanhecer e ao entardecer. Mas, como é oportunista, pode picar à noite.

Sua presença é mais comum em áreas urbanas e a infestação é mais intensa em regiões com alta densidade populacional e, principalmente, de ocupação desordenada, onde as fêmeas têm mais oportunidades para alimentação e dispõem de mais locais para desovar.

A infestação por Aedes aegypti é sempre mais intensa no verão, em função da elevação da temperatura e da intensificação de chuvas – fatores que propiciam a reprodução do mosquito.

 Para evitar esta situação, é preciso adotar medidas permanentes para o controle do vetor, durante todo o ano, a partir de ações preventivas de eliminação de focos do Aedes aegypti.

Como o mosquito tem hábitos domésticos, essa ação depende sobretudo do empenho da população.

Pesquisas realizadas em campo indicam que os grandes reservatórios, como caixas d’água, galões e tambores, são os criadouros que mais produzem Aedes aegypti e, portanto, os mais perigosos.

 Isso não significa que a população possa descuidar da atenção a pequenos reservatórios, como vasos de plantas, pneus, garrafas, vasilhames etc. que comprovadamente atuam como criadouros.

O alerta é para que os cuidados com os reservatórios de maior porte sejam redobrados, pois é neles que o mosquito seguramente encontra condições para se desenvolver de ovo a adulto.

O acasalamento do Aedes aegypti se dá dentro ou ao redor das habitações, geralmente no início da vida adulta, nos primeiros dias depois que o mosquito emerge da água do criadouro.

A desova acontece em criadouros com água parada, onde os ovos depositados são aderidos às paredes do recipiente, bem próximo à superfície da água, porém não diretamente sobre o líquido.

Daí a importância de lavar, com escova ou palha de aço, as paredes dos recipientes que não podem ser eliminados, onde o ovo pode permanecer grudado. E manter tudo o que for possível vedado (muito bem fechado).

Uma fêmea pode dar origem a 1.500 mosquitos durante a sua vida. Os ovos são distribuídos por diversos criadouros – estratégia que garante a dispersão e preservação da espécie.

 Se a fêmea estiver infectada pelo vírus da dengue quando realizar a postura de ovos, há a possibilidade de as larvas já nascerem com o vírus – a chamada transmissão vertical.

Em condições favoráveis de umidade e temperatura, o desenvolvimento do embrião é concluído em 48 horas. Um ovo pode resistir até um ano sem eclodir

Do ovo à forma adulta, o ciclo de vida do Aedes aegypti varia de acordo com condições climáticas, a disponibilidade de alimentos e a quantidade de larvas existentes no mesmo criadouro, uma vez que a competição de larvas por alimento em um mesmo criadouro com pouca água consiste em um obstáculo ao amadurecimento do inseto para a fase adulta. O tempo médio de vida de um mosquito adulto é de 30 dias.

ciclo de vida do aedes aegypti 20145 l

Ciclo de vida do Aedes aegypti

Somente a fêmea pica o homem para sugar sangue, alimento necessário à produção de ovos.

 Geralmente, a hematofagia (necessidade de sangue), é mais voraz a partir do segundo ou terceiro dia depois que a fêmea emerge da água do criadouro.

 Machos se alimentam de substâncias açucaradas, como néctar e seiva.

O período de maturação dos ovos varia segundo diversos fatores, como o clima: é concluído mais rapidamente em locais quentes e úmidos.

Esta resistência é uma grande vantagem para o mosquito, pois permite que os ovos sobrevivam por muitos meses em ambientes secos, até que chuvas ou o próximo verão propiciem as condições favoráveis à eclosão.

 A resistência permite também que os ovos sejam transportados a grandes distâncias, em recipientes secos, tornando-se assim o principal meio de dispersão do inseto – dinâmica conhecida como dispersão passiva.

Esse aspecto importante do ciclo de vida do mosquito demonstra a necessidade do combate continuado aos criadouros, em todas as estações do ano.
Aedes aegypti prefere locais com altos índices de temperatura e umidade – fatores que além de acelerar o ciclo de vida do mosquito garantem a sobrevivência dos ovos fora d’água

Para evitar esta situação é preciso adotar medidas permanentes para o controle do mosquito, durante todo o ano, a partir de ações preventivas que objetivem a eliminação de focos do vetor.

Faça a sua parte elimine criadouros!

Blog da saúde